Coldplay faz história no Rock in Rio com espetáculo visual e música em português

A banda iluminou a Cidade do Rock e correspondeu às expectativas de atração mais aguardada. É possível assistir ao show completo no final desta matéria.

11 setembro, 2022

Neste sábado (10), horas antes de o Coldplay subir ao Palco Mundo do Rock in Rio, a equipe chegou à Cidade do Rock com três caminhões repletos de materiais focados em transportar parte da estrutura dos shows da “Music Of The Spheres World Tour” para o palco do festival. Foram adicionados 32 refletores e quatro canhões de luz ao palco já existente do Rock in Rio. O Palco B, que Coldplay leva para todos os shows da turnê atual, foi acoplado ao final da passarela do festival e ficou todo iluminado durante o show da banda (o que não aconteceu nas apresentações anteriores — de Djavan, Bastille e Camila Cabello).

Pouco depois da hora marcada para o início do show, o público começou a acompanhar a banda ainda nos bastidores, por meio de imagens que foram projetadas no telão e que mostraram Chris Martin, Guy Berryman, Jonny Buckland e Will Champion andando pelo interior da passarela até chegarem a uma entrada que permitiu que a banda surgisse aos olhos do público no centro do Palco B — que se iluminou logo de cara, abrindo espaço para fogos de artifício e papéis picados que preencheram o céu ao som de “Higher Power”.

Chris já chegou no palco fazendo um sinal que demonstrava que o vocalista estava envolvendo todo o público do Rock in Rio em um abraço e nem a chuva forte atrapalhou a recepção calorosa do público, que se mostrou eufórico com a chegada da banda e com os primeiros sinais coloridos emitidos pelas pulseiras de LED. Brilhando no pulso de cerca de 100 mil fãs, as pulseiras se tornaram marca dos shows do Coldplay e, no festival, seguiram a proposta de mudar de cor em sincronia com cada música apresentada pela banda.

As performances de “Adventure Of A Lifetime” e “Paradise” vieram na sequência e chegaram para não deixar nenhuma dúvida da grande estrutura que a banda resolveu levar para o Rock in Rio.

Ao apresentar “Viva la Vida”, um dos maiores hits do Coldplay, a banda ficou impressionada com o alcance de 100 mil vozes cantando a música. Chris, então, pediu para a banda tocar a faixa mais uma vez e, assim, o público ganhou de presente duas performances seguidas de “Viva la Vida”, sendo a segunda um dos momentos responsável por um dos momentos em que o público cantou mais alto durante a noite.

Ao apresentar “The Scientist”, o vocalista Chris Martin demonstrou o seu carinho pelo Brasil ao cantar, logo na introdução da performance, um trecho de “Mas que nada”, de Jorge Ben, ao piano.

Um dos momentos mais aguardados da noite foi a performance de “Yellow”, música que é parte do primeiro álbum de estúdio da banda e que foi responsável por popularizar o som do Coldplay ao redor do mundo. Na Cidade do Rock, o coro de vozes do público impressionou Chris – que deixou o pessoal cantar.

Ao levar a potente “People Of The Pride”, música do álbum “Music of the Spheres”, para o palco, o Coldplay expressou o seu lado mais Rock n’ Roll e ainda passou um recado quando Chris Martin ergueu a bandeira do Orgulho LGBTQIA+

Os lasers durante a inigualável “Clocks” seguiram o show e empolgaram o público, enquanto a performance de “My Universe” gerou um dos coros de vozes.

Outro ponto alto da apresentação da banda foi a performance de “Something Just Like This”, que impressionou quem ainda não tinha conhecimento de que, na turnê atual, Chris Martin interpreta a faixa em língua de sinais – o que coincide com as várias ações de inclusão da turnê.

Em um dos momentos mais vibrantes do show, o vocalista parou a performance de “A Sky Full Of Stars” e pediu para o pessoal deixar o telefone de lado. “Sem celular, sem câmera, apenas dancem”, solicitou Chris – que foi atendido por grande parte do público.

Ao longo do show, Chris Martin se manifestou diversas vezes em português. “Boa noite, meus amigos; muito obrigado; de novo, de novo; fala, galera; a gente tá muito feliz de estar aqui com vocês; levanta a mão” foram destaques no vocabulário. O ápice do contato com o idioma veio com a apresentação de “Magia” (uma versão em português da faixa “Magic”, lançada pelo Coldplay em 2014). Assim como fez em shows anteriores da turnê, o vocalista trabalhou em uma tradução da letra e cantou a faixa a partir da língua local.

A performance de “Magia” também marcou uma surpresa que fãs da banda prepararam para Jonny Buckland. A banda já entrou no palco nos primeiros minutos do dia 11 de setembro, data que marca o aniversário do guitarrista. Por isso, os fã-sites Viva Coldplay e Coldplay Brasil, ao lado das páginas Fórum Coldplay e Portal Coldplay, promoveram um flashmob dias antes do show e a iniciativa chegou até Chris Martin, que, ao final de “Magia”, mostrou para Jonny todo o carinho do público. O guitarrista demonstrou muita felicidade ao ouvir a plateia cantar “Parabéns para você” e erguer folhas com o texto “Happy Birthday, Jonny”.

Também em português, o vocalista reconheceu tudo o que fãs da banda fizeram para prestigiar o show. “Obrigado por estarem aqui na chuva, sendo tão lindos e cantando de forma tão bela. Obrigado por superarem o trânsito, a Covid, a chuva, o preço dos ingressos, as filas e todas as ‘merdas’ que tiveram que passar para estar aqui. Estamos muito gratos e felizes”, afirmou.

Ao apresentar “Humankind”, uma das músicas mais empolgantes do álbum mais recente, o Coldplay coloriu a cidade do rock e preparou terreno para toda a emoção de “Fix You”. Única representante do álbum “X&Y” na setlist, a música determinou o momento mais bonito do show e fez o público cantar alto, com voz embargada.

A performance ainda marcou um belo momento em que Chris, mesmo na chuva, caminhou próximo do público e abraçou um fã, que estava muito emocionado.

Sem o grande impacto de “Fix You”, mas acompanhada de muitos elementos visuais, a faixa “Biutyful” encerrou o show com uma sensação de leveza inspiracional e deixou o público ainda mais encantado com a banda. Antes de deixar o palco, Chris Martin ainda presenteou um fã com sua camiseta e se juntou aos colegas de banda para agradecer a plateia. Em sua segunda passagem pelo Rock in Rio, o Coldplay correspondeu a expectativa de headliner mais aguardado do festival e comprovou a grandeza da banda.

CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR AO SHOW NA ÍNTEGRA

SETLIST

01. Music Of The Spheres
02. Higher Power
03. Adventure Of a Lifetime
04. Paradise
05. Viva la Vida
06. The Scientist
07. Yellow
08. Gravação de “Sunrise”
09. People Of The Pride
10. Clocks
11. The Lightclub (Infinity Sign, Something Just Like This & Midnight)
12. My Universe
13. A Sky Full Of Stars
14. “Magia” (versão de “Magic” em português)
15. Humankind
16. Fix You
17. Biutyful

Dando sequência ao sucesso da sua passagem pelo Rock in Rio, em outubro deste ano o Coldplay retornará ao Brasil para outros oito shows; serão dois no Rio de Janeiro (nos dias 11 e 12) e seis em São Paulo (nos dias 15, 16, 18, 19, 21 e 22 de outubro).

Vídeos: Multishow & TV Globo / Reprodução
Foto de capa: Stephanie Rodrigues / G1
Vitor Babilônia

Vitor Babilônia é Editor-Chefe do Viva Coldplay e Roteirista. Sua formação passa por instituições como Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Vancouver Film School. Ele é fã da banda desde 2004.

error: Content is protected !!