Music Week elege Coldplay o Artista do Ano

20 dezembro, 2016

A ‘Music Week’ é uma das maiores revistas musicais do Reino Unido. Fundada em 1959, a publicação promove um ranking anual de artistas mais relevantes e em 2016 elegeu Coldplay como ‘Artista do Ano’.

Em várias páginas enaltecendo a banda, a publicação chamou 2016 de “um ano cheio de sonhos”. Segundo a Music Week, os mais de 300.000 ingressos vendidos ao redor do mundo; as quatro noites esgotadas no lendário estádio Wembley; o status mundial de turnê que mais arrecadou em 2016, são fatores que justificam o título de Artista do Ano. Além disso, a revista destaca o fato de que Coldplay dividiu a cena com “todos”, de Beyoncé até Michael J Fox.

Comemorando o título entregue ao Coldplay, a publicação de dezembro reuniu depoimentos de Chris Martin, Will Champion, Phil Harvey, especialistas da indústria musical e amigos da banda. A seguir você pode conferir trechos das entrevistas (selecionados pelo site Coldplaying e traduzidos pelo Viva) e, ao final, ainda poderá ler scans que mostram as páginas da ‘Music Week’ na íntegra:

Por dentro da publicação

Nos últimos 12 meses, a banda ganhou um BRIT Awards, se apresentou para um público de mais de 11,5 milhões no Super Bowl e foi headliner do Glastonbury pela quarta vez (recorde no palco pirâmide, o principal do festival). Além disso, a ‘A Head Full Of Dreams Tour’ arrecadou mais de 108,4 milhões de dólares em 29 shows na primeira metade de 2016.

Recentemente Coldplay ultrapassou a marca de 5 bilhões de reproduções no Spotify e se tornou a banda mais executada no serviço de streaming. Já fisicamente, o álbum AHFOD vendeu 976.205 cópias até agora (números apenas do Reino Unido) e está no caminho para se tornar o sexto disco da banda a chegar à casa do milhão.

A gratidão de Chris:

Em uma entrevista exclusiva para a ‘Music Week’, o vocalista Chris Martin disse: “Estamos extremamente agradecidos e honrados. Só queremos agradecer! Eu realmente me sinto muito grato. As pessoas pelas quais eu me sinto mais feliz são Dave (Holmes) e Phil (Harvey), nossos managers, e Craig (Finley- produtor e manager). Isso porque eles arrasam e trabalham muito. Eu sinto que o título de ‘melhor artista do ano’ é algo que nos faz lembrar o quanto eles são especiais”.

A união valorizada por Will:

O baterista Will Champion completou: “Depois de tanto tempo, nós ainda achamos maravilhoso fazer parte da banda. Provavelmente essa o fato de ainda estarmos felizes e continuarmos amigos é a nossa maior conquista”.

O orgulho de Phil:

Phil Harvey disse: “Nós estamos absolutamente encantados, isso é incrível. Realmente significa muito! Eu me lembro de quando eu era um estudante universitário recém-chegado em Londres. Eu tinha cerca de 20 anos e comprei uma cópia da ‘Music Week’ para tentar me convencer de que eu fazia parte da indústria musical e que a gente iria conseguir fazer o Coldplay, de fato, acontecer. Então significa muito receber esse prêmio agora”.

O que a gravadora acha:

O presidente da gravadora Parlophone, Miles Leonard, disse: “estamos muito honrados por a ‘Music Week’ ter elegido o Coldplay (como ‘Artistas do Ano’). É ótimo vocês darem apoio à banda em muitos aspectos. Foi um ano estelar para eles em várias áreas. Coldplay continua entregando álbuns pop contemporâneos e os garotos estão sempre animados e esforçados para se colocarem em um espaço que proporcione mais relevância e cor para a banda. O fato de, ainda hoje, eles conseguirem entregar um álbum com quatro ou cinco grandes singles é algo bastante incrível”.

E mais:

Além de depoimentos, a publicação apresenta alguns dados e algumas curiosidades. Por exemplo, eles afirmam que para alcançar o título de Artista do Ano a banda construiu vários hits que a colocaram no patamar de mais popular do momento. Assim, a revista compara o álbum “A Head Full Of Dreams” com os seus antecessores (levando em consideração apenas o Reino Unido). Portanto, 2.671.378 cópias vendidas do “Parachutes” (2000); 2.922.501 do álbum “A Rush Of Blood To The Head” (2002); 2.767.551 do “X&Y” (2005); 1.496.698 do disco “Viva La Vida Or Death And All His Friends” (2008); 1.516.818 de “Mylo Xyloto” (2011); 652.333 na conta do “Ghost Stories” (2014) e 951.540, até agora, para o “A Head Full Of Dreams” (dez/2015). Sem dúvida números fortes e consolidados diante da revolução digital.

Scans:

Via Coldplaying

Via Coldplaying



Via Coldplaying

Via Coldplaying



Via Coldplaying

Via Coldplaying



Via Coldplaying

Via Coldplaying



Via Coldplaying

Via Coldplaying



Via Coldplaying

Via Coldplaying



Via Coldplaying

Via Coldplaying



Via Coldplaying

Via Coldplaying



musicweek7

Via Coldplaying

Via Coldplaying



Via Coldplaying

Via Coldplaying



Via Coldplaying

Via Coldplaying



Via Coldplaying

Via Coldplaying


Você pode clicar aqui para acessar o site da Music Week e conferir um post que sintetiza os destaques da publicação que anunciou Coldplay como Artista do Ano de 2016.

Agradecimentos: Music Week e Coldplaying

Vitor Babilônia

Vitor Babilônia é Editor-Chefe do Viva Coldplay e Roteirista. Sua formação passa por instituições como Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Vancouver Film School. Ele é fã da banda desde 2004.

error: Content is protected !!