Entrevista com Simon Williams, fundador da Fierce Panda

04 abril, 2010

Há cerca de suas semanas, o Coldplay.com publicou uma entrevista com Simon Williams. O líder da ex-gravadora do Coldplay fala sobre o lançamento do EP Brothers & Sisters em 1999. Clique em ‘leia mais’ para ler o bate-papo e conhecer um pouco mais da história do Coldplay.

Simon Williams é o fundador da Fierce Panda, a estimadíssima gravadora independente do Reino Unido que lançou o EP Brothers & Sisters em abril de 1999. Chamamos ele para bater um papo sobre as memórias de ter trabalhado com o Coldplay.

Olá, Simon. Pois é, já fazem 16 anos que você construiu a Fierce Panda, ao lado de alguns outros amigos jornalistas, entre uma cerveja e outra.
Com certeza, certeza absoluta. A gente estava no Blue Posts, em Tottenham Court Road, Londres, mas esse pub acabou se tornando uma fábrica de farmacêuticos, infelizmente. Estávamos falando do surgimento de um novo gênero e sobre como deveríamos celebrar a grandeza das bandas relacionadas lançando um disco.

Essas conversas regadas a álcool provavelmente acontecem o tempo todo, mas nada de bom resulta delas.
Mas é claro que resulta. E acho que a gente estava consciente disso enquanto conversávamos. É o tipo de conversa em que você e seus companheiros vão se ver no dia seguinte, no trabalho, cada qual meio enverganhado e tentando lembrar o que raios tinha sido o assunto da conversa. Mas nessa ocasião, eu realmente conhecia alguém que sabia mais ou menos o que fazer para lançar um CD, o Ian da Damaged Goods. Por isso, antes da ressaca ter passado, eu falei com ele e ele disse que poderia ajudar a gente. Isso foi um gigante passo à frente e nem nos demos conta disso. Isso significou que nós nunca tivemos de nos preocupar com como fazer um CD ou como levar ele às lojas.

Quanto durou o intervalo entre a conversa de pub e o primeiro lançamento da Fierce Panda?
Provavelmente uns dois meses. Esse é basicamente o tempo que levava para lançar um CD naquela época. E nós inadvertidamente inventamos os EPs duplos de 7’ e com seis faixas. Originalmente,  era para ter sido só um 7’ com quatro bandas, mas outras bandas ouviram falar no assunto e também queriam fazer parte do projeto.

E a gravadora ganhou bastante sucesso e bem rápido?
Isso mesmo. A gente não tinha muita certeza do que estava fazendo, mas fizemos cinco desses EPs com compilações no primeiro ano e conseguimos uma boa legião de fãs devotados. Tínhamos bandas como o Supergrass e o Ash nesses primeiros lançamentos. Desde o início já tínhamos uma identidade bem definida e fãs devotados implorando por novos lançamentos nossos.

E quando foi que vocês cruzaram com o Coldplay pela primeira vez?
Foi em novembro de 1998, no Camden Falcon. Uma das casas de shows mais sujas e de pior fama de todo o Camden. Alguém estava trazendo à tona lembranças sobre dar umas pitadas nos banheiros!

E vocês estavam lá só curtindo?
É. Naquela época, ou você estaria Bull & Gate, no Dublin Castle ou no Falcon. 1998 também foi a época que bandas como Muse e Elbow estavam fazendo seus primeiros shows em Londres. Lembro de ter visto o Muse no Falcon também. Mais um desses shows em que você mal consegue respirar.

O Falcon nunca foi um lugar particularmente atraente para passar o tempo.
Não, de jeito nenhum. Mas ele não incomodou muito bandas como Coldplay e, depois, Keane. Tocar nesses lugares era tudo o que havia para fazer. Não tinha uma equipe dizendo como fazer uma grande divulgação ou como fazer o melhor proveito dos fãs, que é o que acontece com as novas bandas de hoje. Hoje em dia, as pessoas são muito mais cínicas e carreiristas. Parece até ilusório dizer que uma banda da envergadura do Coldplay veio de um lugar com uma banheiro tão medonho como o do Falcon.

Você tem alguma memória marcante da primeira vez que você viu o Coldplay?
Tenho. Foi realmente marcante porque eles foram absolutamente brilhantes. Lembro que o show estava lotado, mas não tinha gente da indústria lá. É singularíssimo que uma banda daquela estatura tivesse uma sala cheia só com fãs dela sem ser um lixo. Mas as músicas eram ótimas, a banda era carismática and e atendeu a todos os meus pré-requisitos. Eles até já tinham tocado em lugares como o In The City e coisa do tipo, então eu dificilmente fui um dos primeiros olheiros da região a prestar atenão neles. Mas eu acho que a gente simplesmente estava no lugar certo e na hora certa. E eu acho que a gente era a única gravadora independente que apostaria numa banda assim, porque a gente não tinha um plano estabelecido. Outras gravadoras talvez tenham se preocupado com a possibilidade de perder o pessoal descolado que comprava os discos deles, mas a gente não tinha esses problemas. A gente nunca fingiu que era descolado!

Eles certamente não se encaixavam na tendência mais óbvia da época.
Realmente. Eles meio que estabeleceram os seus próprios planos. É isso que dava destaque a eles – não havia nada como eles, e eles não estavam fazendo tipo ou fingindo. O cenário independente estava de mal a pior. Havia algumas bandas independentes de punk-pop por aí, mas nada com o musicalismo ou a graa do Coldplay.

Você falou com eles naquela noite?
Falei. Era sempre uma questão de ficar bêbado e malhar o ferro quando ele ainda estava quente! Eu perguntei se eles queriam fazer um single com a Fierce Panda e assim comeou um belo relacionamento.

E depois, você deu para eles um dinheiro para gravar o single.
É, acho que umas £400. E eles foram para o Station Studios em Southgate, que eu acho que não existe mais, assim como em qualquer lançamento da Panda.

Você disse a eles que músicas gravar e coisas do tipo?
Acho que se você me perguntasse em que música eu realmente queria que eles tivessem investido, eu diria Shiver. Mas, normalmente a gente deixava a decisão nas mãos da banda. E o Coldplay nos deu uma música que mal foi ouvida novamente, Brothers And Sisters. É uma boa música. Mas seis meses depois, eles tinham escrito Yellow, o que deve ter alterado o grau de confiança deles e sua qualidade e controle também. Assim, músicas que se destacavam totalmente no show da Falcon subitamente deixaram de ser tão boas quanto esse futuro sucesso.

Você tinha consciência que o Coldplay estava no caminho das grandes realizações?
Bom, quando você está conhecendo 15 bandas por semana, você certamente pode dizer quais se destacam. Você não consegue dizer se elas vão vender 50 milhões de álbuns, ou seja lá quanto venderam, mas realmente havia algo de diferente e instigante no caráter daquela banda. Eles eram melhores do que qualquer outra coisa que eu tinha visto naquela semana e melhor do que qualquer outra banda a que tínhamos dado singles. E, a partir daí, foi tudo uma questão de esforço. Durante todo o tempo que eu trabalhei com a banda, nunca vi eles tocando para uma sala vazia. E sempre que eles tocavam em um lugar novo, eles rapidamente conquistavam a todos. Na verdade, parecia até que qualquer banda para quem o Coldplay abria os shows – queridinhos da imprensa como Terris ou Bellatrix – estava em maus lençois porque o Coldplay imediatamente decantava toda a energia do local!

Você acha que o single com o selo da Fierce Panda mudou o rumo da carreira do Coldplay?
Bom, não foi muito o single em si, mas o fato dele ter conseguido chegar no rádio. Assim que isso aconteceu, a opinião da indústria sobre o Coldplay simplesmente mudou.Os olheiros frequentemente se esquecem que o público quase sempre conhece as músicas pelo rádio. Por isso que, na primeira vez que as pessoas escutaram Coldplay, eles não sabiam que o Chris parecia com o Leo Sayer! Muitas bandas amadas pela indústria musical e pela imprensa não tinham uma música boa o suficiente para chegar no rádio. E isso era uma coisa que o Coldplay tinha de sobra.

O single também entrou na lista de mais ouvidas. 
Sim, eu lembro que a música entrou no número 99! Lembro que a banda transbordou de alegria.

Vocês tentaram fazer um contrato com a banda que fosse além do single?
Tentamos. A gente tinha um acordo com a Mushroom Records e tentamos desesperadamente fechar um contrato com o Coldplay. Mas no final, foi a Parlophone que conseguiu. E, para ser justo, se eu estivesse no Coldplay, eu teria assinado contrato com a Parlophone. Eles eram inalcançáveis nesse aspecto em especial. E, obviamente, se você nutrisse uma paixão pelo Radiohead, então essa era a gravadora para você. Mas a gente fez tudo mesmo para conseguir um contrato com eles.

Vocês devem ter ficado desapontados.
Bom, Deus os abençoe; recebemos uma ligação do Chris dizendo “Queria te chamar para tomar alguma coisa, estamos em Hammersmith, mas vamos para Walthamstow agora”. A Parlophone tinha sede em Hammersmith, então a ficha meio que caiu nessa hora. Mas eles atravessaramtoda Londres para nos dizer cara a cara que eles tinha fechado com a Parlophone.

Isso foi bem decente da parte deles.
Com certeza – e eu espero que a Parlophone tenha pago o táxi! O que eu achava fascinante na banda era sua atenção absoluta pelos detalhes. Eles foram masterizar o single em Walthamstow, e se você fosse tomar alguma coisa com o Chris, ele frequentemente te bombardeava com perguntas, mas sem fazer com que você se sentisse num interrogatório ou como se estivesse sendo usado. Eles simplesmente eram fascinados pelo processo todo. E estavam prontos para qualquer coisa – mesmo se fosse para tocar em um lugar pequeno como o Bull & Gate. E com todas essas perguntas e diligências, veio o encanto. Essa era a chave para toda a essência. Mas eu me pergunto como teriam sido as coisas para o Coldplay se eles tivessem assinado contrato direto com uma gravadora grande. Eles teriam conseguido chegar a NME? Eles não estavam fingindo ser descolados, morgando em Camden, tentando comprar drogas. Eles simplesmente eram caras incrivelmente eloquentes e legais. Falando nisso, uma vez, eu realmente fui no apartamento deles, perto da ULU [University of London Union]. Um apartamento e tanto.

Em que sentido?
Eu nunca tinha visto um banheiro tão sujo! Já chamaram eles de riquinhos, filhinhos de papai, mas eles realmente conseguir tornar o lugar num cortiço!

O que você achou das outras faixas no EP Brothers & Sisters?
Elas eram ótimas. É um EP adorável, apesar de eu achar que não muita coisa tenha acontecido com essas músicas depois. Fizemos dois singles com o Keane e eu acho que duas ou três músicas chegaram na lista de 10 mais tocadas. Mas eu realmente lembro que o Coldplay odiou o processo de gravaão. Não é de forma alguma surpreendente que hoje eles andem com perfeccionistas como Brian Eno. Eles entenderam que era uma sessão de £400 e eles fizeram tudo sem reclamar. Mas o Chris nunca teve vergonha de reclamar da qualidade de gravação. Acho que mesmo naquela época eles já tinham esse espírito [nous].

De onde veio a arte gráfica do EP?
Acho que ou foi feito por um deles por algum colega de faculdade. A verba certamente não veio da gente.

Não é a capa mais bonita que eles já tiveram.
Não de jeito nenhum. Mal dá para ver o nome deles. Ela tem meio que uma atmosfera cósmica. Mas, de novo, acho que isso demonstra que eles ainda estavam tentando a identidade deles.

O EP ainda está disponível no iTunes. Muitas pessoas compram ele?
Aham, ele está indo bem, apesar de que a minha aposentadoria não vai sair daí! Ainda há pessoas que têm álbums do Coldplay e não sabem que o EP existe. Mas ele certamente é parte da história deles, mas, junto com o EP Safety.

E como vão as coias para a Fierce Panda no momento?
Ainda estamos nos fortalecendo. Na verdade, estamos mais fortes do que nunca. As grandes gravadoras parecem ter parado de assinar contrato com bandas de rock quase totalmente. Por isso que a gente alguém como o Goldheart Assembly faça um álbum com a gente, apesar de que, em dois anos ou três eles vão se enrolar em alguma guerra entre olheiros e assinar um contrato grande cedo demais. Chegamos em um ponto em que parece que a única razão para as pessoas quererem lançar singles com a gente é para ajudar a conseguir um contrato maior. Mas com o Coldplay, o que a gente estava fazendo era lançar uma grande gravação feita por uma grande banda nova.

Você manteve contato com o Coldplay?
Não exatamente. Me perguntam isso com frequência, para falar a verdade. Compartilhamos o mesmo advogado e fui em alguns shows que eles fizeram, mas eu não tenho o telefone deles ou qualquer coisa do tipo. Eles têm a turnê na América Latina para fazer e eu tenho que achar alguma outra banda para lançar um disco! 

Mas a banda ainda parace realmente sentir um afeto genuíno pela Fierce Panda.
É. Eu tomei chá com eles antes do Natal e chega a ser irritante o quão pouco eles mudaram, sério. Eles ainda têm essa fenomenal ética de trabalho e eles sempre foram inacreditavelmente gratos a nós. Acho que você consegue ver a imagem deles se desabalando desde Hammersmith até Walthamstow para contar a novidade para a gente. Isso realmente estava muito além da obrigação deles. E eles nunca negaram a existência do EP Brothers & Sisters ou reescreveram a história para nos tirarem da histórias deles. 

Então o Goldheart Assembly é a grande aposta de vocês esse ano.
É isso mesmo. A primeira vez que eu ouvi falar sobre eles foi em novembro de 2008, porque o empresário deles estava tentando um show na nossa noite. Acabamos contratando eles algumas vezes e nos apaixonando por eles um pouquinho mais em cada vez. Eles são simplesmente brilhantes. Todo passo dado com eles tem sido uma alegria. 

Você acha que os fãs do Coldplay iriam gostar deles?
Com certeza. De novo, tudo é uma questão de música. Eles se parecem com o Midlake, o Fleet Foxes ou o Low Anthem, mas eles são 100% britânicos, e os dois vocalistas acham que eles são Lennon e McCartney. Chamam isso de folk, mas eles é simplesmente pop. Vale muito a pena ouvir.

E você olha para trás com carinho, a época em que você foi chefe da gravadora do Coldplay?
Sim, com com certeza. Você vai embora de muitos shows de lado porque a banda é um lixo ou você fica com o saco cheio de pagar £3.90 por uma lata de Fosters ou tem muita gente da indústria, ou qualquer coisa do tipo. Mas eu posso dizer honestamente que o segundo show do Coldplay no Bull & Gate – a festa de lançamento do single – foi a única vez que eu saí de um show para estava excessivamente bom. Foi absolutamente fenomenal. Na metada de Shiver, eu tive de me mandar porque eu fico um pouco sentimental demais. Foi simplesmente incrível.

O EP Brothers & Sisters está disponível no iTunes – clique aqui para baixar.

O álbum de estreia do Goldheart Assembly’s, Wolves And Thieves, acabu de ser lançado pelo Fierce Panda.
Clique aqui para mais informações e um MP3 gratuito de uma das faixas do álbum.

error: Content is protected !!