Sai o primeiro review de Mylo Xyloto.

05 outubro, 2011

Faltando apenas algumas semanas para o lançamento do novo álbum do Coldplay, podemos esperar de agora em diante vários reviews sobre Mylo Xyloto.  O site de música spin.com já ouviu o álbum e foi o primeiro a liberar a sua avaliação. Para ver qual a nota e a análise completa, clique em leia-mais.

NOTA:  7/10

Cale-se e chore: Sir Chris Martin libera a sua mágoa através de uma infusão de dance-pop.

Ele diz algo sobre a assimilação Top 40 do Coldplay em que a maioria das músicas meio Rihanna em Mylo Xyloto não são as únicas que realmente apresentam Rihanna. “Life goes on, it gets so heavy,”  canta Chris Martin sob uma batida hip-hop crescente em “Paradise”, e pelo tempo que ele imita RiRi [apelido de Rihana] de gaguejar entrega o gancho, você já está imaginando ele partilhando o espaço embaixo do seu guarda-chuva.

Como no grande horizonte em 2008, Viva la Vida, Mylo Xyloto extrai uma paleta expansiva que faz os primeiros 3 álbuns do Coldplay soarem encantadoramente estranhos: “Hurts Like Heaven” carrega um ritmo new-wave energético que justifica seu título, enquanto o soul do futuro “Up in Flames” é, basicamente, James Blake [compositor britânico de música eletrônica] só que maior, muito maior; aqueles sintetizadores delirantes supersaturados do primeiro single “Every Teardrop Is a Waterfall” aparecem novamente sobre a cintilante participação real de Rihanna em “Princess of China.”

Mas onde Viva La Vida apresentou o senso de aventura do Coldplay, este se sente mais ansioso para agradar; os detalhes sonoros acumulam-se com tal velocidade que é como se Martin e seus companheiros temessem sua fuga se eles não segurarem você imediatamente (“Slow it down,” informa o vocalista  em  “Us Against the World,” logo antes de acumular camadas dramáticas de órgãos de igreja.) Claro, essa é a ameaça implícita em que grandes canções pop vivem e, para melhor ou pior, Coldplay sempre aumentam esse desafio.

Por Mikael Wood

@diegolsc

error: Content is protected !!