Coldplay.com entrevista diretores de Princess of China

15 julho, 2012

Coldplay.com fez uma entrevista com Adria Petty e Alan Bibby, que co-dirigiram o clipe mais recente do Coldplay, ‘Princess of China’:

O maravilhoso clipe para o atual single do Coldplay, Princess of China (com a particiação de Rihanna), foi co-dirigido por Adria Petty e Alan Bibby. Nós nos correspondemos com eles para obter mais informações a respeito.

O clipe de Princess of China já foi visto 25 milhões de vezes desde o início de junho. Vocês devem estar satisfeitos com a repercussão.
Estamos impressionados e encantados.

Como vocês acabaram se envolvendo com o clipe?
AP: Eu sempre quis fazer um projeto junto com o meu amigo Alan Bibby. Quando Chris Martin me chamou para trabalhar com ele e com a Rihanna, eu não conseguia imaginar fazer isso sem uma liga da justiça com poderes de super-herói. Assim, eu chamei o Alan para dirigir e criar o clipe junto comigo. O Alan é um diretor com experiência, mas também um conhecedor de cultura e isso se estende para o gênero do kung fu no cinema, algo em que eu não sou tão versado assim. Então, basicamente, nós colaboramos igualitariamente, dividimos e conquistamos.
AB: Parecia a oportunidade perfeita para trabalharmos juntos em algo em que nós dois acreditávamos tanto.

Você tiveram muitas idéias para o clipe ou o que a gente vê no clipe final sempre foi o plano?
Tivemos toneladas de idéias. Mas, com a limitação do tempo de gravação e preparação, nos dedicamos às idéias que vocês vêem agora no clipe. O clipe é exatamente o que tínhamos em mente.

Como vocês descreveriam o conceito por trás do clipe?
O conceito do clipe é uma complexa história de amor, complicada por poder, forças externas e uma dinâmica entre força masculina e força feminina. Queríamos usar o formato de trailer para contrabalançar a complexa marcação de tempo e a criativa letra da música. Existe apenas um refrão no meio da música e uma extensa parte final. Nós também sentimos incondicionalmente que o clipe deveria conter a ambos de tal maneira que ele parecesse ser um evento cinematográfico. A história é mais ou menos assim: um ronin [samurai sem mestre] vitorioso, que, ao voltar para casa, descobre que sua amada se tornou meio que uma gueixa gângster. Ela agora se tornou uma igual em relação a ele e uma borboleta que é impossível de caçar.

Qual foi o grau de proximidade com a letra que vocês tentaram dar ao clipe?
AP: A única parte da letra que realmente tinha significado para mim era “Once upon a time…”, só para começar a criar a fantasia da coisa toda, porque eu acho que clipes devem deixar as músicas falarem por si mesmas.

As influências geográficas do clipe parecem ir além da China somente. Isso foi intencional?
Sim. Nós não queríamos que o universo que estávamos criando fosse exatamente a China. Nós queríamos criar nossa própria mistura visual de influências, a partir de uma série de diferentes lugares e épocas, de diferentes gêneros

Onde o clipe foi gravado (e quanto tempo durou a gravação)?
Um dia e meio, bem no interior da periferia de Los Angeles.

Tudo aconteceu de acordo com o planejado?
Sim, milagrosamente, tudo aconteceu de acordo com o planejado. Tínhamos uma equipe de altíssimo nível e, além disso, tanto pessoas da equipe do Coldplay, como pessoas da equipe da Rihanna que nos ajudaram a garantir isso.

As partes com a Rihanna e os múltiplos braços parecem particularmente difíceis. Foi difícil de obter esse efeito?
E tudo isso em um só dia de trabalho.

E quanto às lutas aéreas com espadas?
Em muitas das cenas do clipe, nós queríamos nos manter fiéis aos efeitos que os filmes de kung fu e os filmes épicos de samurai que nós amamos usam. Assim, para essas cenas, o Chris e a Rihanna foram suspensos por cabos, permitindo que eles literalmente flutuassem. Os dois foram incríveis mostrando cada um as suas proezas.

Como foi trabalhar com o Chris e com a Rihanna?
O Chris e a Rihanna foram ambos muito profissionais e foi maravilhoso assisti-los. Nós tínhamos gravado tantas cenas boas que poderíamos ter feito um segundo clipe com elas. Foi realmente incrível vê-los em cena.

Presumivelmente, acrescentar os efeitos especiais demorou um bocado?
Foi um processo particularmente complexo e trabalhoso, especialmente porque todas as pessoas envolvidas tinham expectativas muito altas. Nós tivemos realmente muita sorte por trabalhar com uma incrível equipe de amigos e de colaboradores que levaram o clipe a um nível tão surpreendente. Definitivamente, várias noites em claro foram necessárias.

Tudo acabou do jeito que vocês queriam que acabasse?
Sim, nós amamos este clipe. É um dos nossos preferidos.

Pedimos a todos os entrevistados do Coldplay.com que contem qual é música do Coldplay é a preferida deles. Qual é a de vocês?
AP: A minha é We Never Change.
AB: A minha é The Scientist

Obs: ouça aqui a versão acústica de PoC

error: Content is protected !!