Discografia

Viva La Vida Or Death and All His Friends

ÁLBUNS

Lançamento: 12 • 06 • 2008

Com uma narrativa artística e experimental, o premiado álbum “Viva la Vida or Death and All His Friends” marca o início de um novo capítulo na carreira do Coldplay. Lançado pela gravadora Parlophone, o 4º disco de estúdio da banda aborda vida, morte e guerra dentro de uma sequência poderosa de faixas. O recado já começa logo na capa do álbum – que apresenta a pintura de Eugène Delacroix intitulada “A Liberdade Guiando o Povo”. Dos instrumentais ao título – que é inspirado na mexicana Frida Kahlo – o álbum revela grande influência hispânica.

Mergulhando em um processo que passeou de estúdio convencional a igreja, a banda iniciou as sessões de gravação do disco em junho de 2007 e terminou em abril do ano seguinte. A produção foi assinada por um time de peso formado por Brian Eno, Rik Simpson, Markus Dravs e Jon Hopkins. Eno foi o grande responsável pelo recorte mais experimental da obra e pela disposição de Chris Martin em estudar diferentes possibilidades de aplicar seu talento vocal. Ele também convenceu a banda a formar uma rotina de gravação diferente do que os integrantes estavam acostumados, deixando, por exemplo, o vocalista Chris fora de alguns encontros a fim de extrair o máximo possível dos talentos de Guy, Jonny e Will.

Já em sua rota de divulgação, o CD alcançou números muito expressivos. Lançado em 2008, o álbum alcançou o primeiro lugar em diversos lugares do mundo, incluindo Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Espanha, França e até o Brasil. Com tanta repercussão, a banda teve a oportunidade de promover cinco singles: “Violet Hill”, “Viva la Vida”, “Lovers in Japan”, “Lost!” e “Strawberry Swing”. “Viva la Vida” fez um barulho gigantesco ao redor do mundo. Nos Estados Unidos, por exemplo, a música chegou ao topo da disputada lista Billboard Hot 100 – até hoje essa é a única canção da banda que conseguiu o número 1 por lá. No Reino Unido, a faixa também foi a primeira da banda a chegar ao topo, mas, diferente do território estadunidense, em casa a banda conquistou mais um número 1 (em 2011, com “Paradise”).

Além de números e conquistas expressivas – como o posto de álbum mais vendido no mundo em 2008, os singles e o disco foram muito bem recebidos pela crítica. Os profissionais do Metacrit conferiram ao álbum uma média de 72%, enquanto a Rolling Stone exaltou a força e a mensagem do álbum e a Entertainment Weekly o classificou com nota A.

O ápice do tratamento positivo da indústria musical veio com as indicações no Grammy Awards. Na 51ª edição, em 2008, o Coldplay recebeu o maior número de indicações da cerimônia – sete ao todo. O álbum “Viva La Vida Or Death And All His Friends” foi indicado a Álbum do Ano e Melhor Álbum de Rock. Já a música “Viva La Vida” foi indicada a Gravação do Ano, Canção do Ano e Melhor Performance Pop por Duo ou Grupo. Por último, a faixa “Violet Hill” foi indicada nas categorias Melhor performance de Rock por Duo ou Grupo e Melhor Música de Rock. De sete o Coldplay levou três gramafones: Canção do Ano,  Melhor Álbum de Rock e Melhor Performance Pop por Duo ou Grupo. Para coroar a noite, a banda ainda se apresentou na cerimônia com “Viva La Vida” e “Lost!” – a segunda com a participação de Jay-Z.

Dessa era surgiu a Viva La Vida Tour, a turnê que marcou a transição dos shows intimistas para estádios lotados. Com uma estrutura grandiosa, a turnê percorreu o mundo entre junho de 2008 e março de 2010. A banda veio ao Brasil em fevereiro de 2010, passando por Rio de Janeiro e São Paulo (com um show em cada).

Faixas:

error: Content is protected !!