Coldplayer da Rodada – Um ano da passagem da AHFODtour pelo Brasil

Vitor Porto
11 abr 2017

Estamos em abril de 2017 e isso quer dizer que há um ano a "A Head Full Of Dreams Tour" passava pelo Brasil! Ontem (10), nossas redes foram preenchidas por posts que lembraram que há exatamente um ano o Coldplay se apresentava para um Maracanã lotado. Antes disso, na data 7/4, foi dia de riscar o calendário e recordar que há um ano a banda iluminava o Allianz Parque.

Foto de Vinícius Pereira

Com saudade da mais recente turnê que passou pelo Brasil e com muitas lembranças para perpetuar, resolvemos preparar uma rodada especial da coluna Coldplayer da Rodada. Através de sorteio, reunimos vários Coldplayers que se manifestaram positivamente diante do convite para abrir seu álbum de memórias e celebrar tudo o que rolou há um ano.


 

Será que vale a pena passar horas na estrada em busca do sonho de curtir Coldplay ao vivo? Gabriela saiu da Bahia de ônibus e foi aos dois shows que a banda fez aqui em abril de 2016:

Coldplay é a banda de minha vida! Sair do meu estado e viajar uma semana inteira para assistir aos dois shows foi uma experiência única, inesquecível. Eles tocam fundo no meu coração. Vários momentos da minha vida se associam ao som deles. Eu os vejo como desbravadores da minha alma. Eles são transparentes e sinceros no que fazem. Depois de três oportunidades perdidas (2010, 11 e 13), eu tinha que acreditar que a experiência era real e possível. E foi!

Amanda enfrentou muitos obstáculos até chegar ao Maracanã:

A expectativa para o show era a maior possível! Além de ter que juntar a grana do estágio por quatro meses, pesquisar passagem e hospedagem com um bom preço (afinal são milhares de quilômetros de distância), eu adoeci duas semanas antes do show. Fila na UPA, alergia a medicamento, minha mãe tentando me impedir... Confesso que quase desisti! Mas, no fim das contas, arrisquei e deu tudo certo! Graças a Deus (também preciso agradecer minhas amigas, Amanda e Jéssica, que não me deixaram desistir e sempre me lembravam de tomar os remédios hehehe

Isabel, que foi aos dois shows, nos contou o que ela sentiu quando as luzes se apagaram, as Xylobands se acenderam e a melodia de “A Head Full Of Dreams” invadiu os estádios:

A palavra que define aquele momento é SURREAL! É um sonho realizado ver ao vivo a banda que você cresceu escutando, que participou dos seus piores e melhores momentos, que esteve no início e no fim de relacionamentos e que faz parte de todas as trilhas sonoras da sua vida! Tive uma vontade imensa de chorar (e chorei rs). Naquele momento, senti que não podia existir sensação melhor ao se realizar um sonho de tantos anos!

Jason foi ao show de São Paulo e teve a sorte de escutar “Speed of Sound” ao vivo. Naquela noite memorável, o single da Era “X&Y” foi um pedido feito por Derek. Questionado sobre qual seria o seu request, caso fosse o fã selecionado para fazer o pedido, Jason confidenciou:

Sou suspeito para falar porque sou apaixonado por “Speed of Sound” e era a música que eu esperava para o request. Mas se eu tivesse que escolher uma música que não tocaram, eu com certeza votaria em “Strawberry Swing”. É uma música calma, com uma melodia apaixonante e com uma letra encantadora.

Mariana estava no Allianz Parque e viveu uma experiência transformadora:

Quando entrei no estádio o nervosismo era grande. Isso porque eu só conseguia pensar em pegar um bom lugar haha. Mas quando eu finalmente entrei e consegui um lugar com bastante visibilidade, uma ansiedade grande tomou conta de mim e eu só pensava no início do show. Parecia que o tempo não passava! Eu sentia um friozinho na barriga rs. Já no fim do show, tive a sensação de que estava acordando de um sonho e encarando a realidade novamente. Sabe aquele sentimento que temos ao terminar uma viagem boa? Pois é, era uma nostalgia misturada com tristeza. Saí de lá feliz, mas chorando muito haha.

A AHFODTour tem uma estrutura impressionante e a banda não privou os fãs brasileiros disso. Fabrício, que esteve nos dois shows, revelou o que ele acha das Eras a partir da "Viva la Vida Tour", ou seja, das eras com turnês grandiosas:

Acho positivo. Os shows em estádios são sensacionais! A AHFODtour consegue ser ainda mais incrível dentro dos estádios justamente por conta de toda essa super produção que eles comportam. Acredito que o fato de a turnê vir completa para a América do Sul fortaleceu caminhos para que as próximas continuem assim. Em relação ao show de SP, queria que tivesse sido no Morumbi porque, por ser um estádio descoberto, todos iriam ver a queima de fogos.


Qual foi o momento mais marcante?

Esses seis fãs, e vocês que nos acompanham e que também receberam o presente de presenciar a AHFODTour no Allianz Parque e/ou no Maracanã, têm muitas memórias sobre a última passagem da banda por aqui. Gabriela, Amanda, Isabel, Jason, Mariana e Fabrício destacaram quais foram os momentos mais marcantes na concepção deles.

1) Gabriela viveu as noites de 7 e 10 de abril de 2016 com muita intensidade! A abertura do show e a apresentação de um dos maiores hits da banda definem os momentos marcantes que a baiana elegeu

Arquivo de Gabriela Santana

"Posso destacar dois. Em São Paulo, foi a primeira música. Quando AHFOD se iniciou e a pulseira brilhou pela primeira vez, lembro perfeitamente de todos pulando sem parar e foi lindo de ver. Já no fim da música, o vento levou os papéis picados até a fileira da plateia inferior (onde eu estava). Tudo muito mágico! Cheguei no hostel cheia de papelzinho."

Arquivo de Gabriela Santana

"Já no Rio, fui de ‘premium branca’ e estava acompanhada de várias amigas. Uma delas escreveu (atrás do papel do flashmob) a frase: 'CHRIS LOOK AT ME'. E então, no início de 'Fix You', ele cantou um trecho da música olhando diretamente para ela. Eu estava bem do lado e posso afirmar que aqueles olhos azuis são penetrantes demais. Foi enlouquecedor!"

2) O momento que Amanda elegeu como mais marcante da AHFODtour no Rio de Janeiro só prova que Coldplay nos transmite grandes mensagens e valores:

Arquivo de Amanda Araújo

"Além da abertura indescritível (meu Deus, o que foi aquilo ali de cima?), das luzes em 'Paradise' (socorro, incrível!) e de tantas pessoas cantando 'Viva la Vida' (aquilo foi de arrepiar), o momento mais marcante foi quando tocou 'Fix You'."

Arquivo de Amanda Araújo

"Naquele momento, lembrei da minha família e percebi que mesmo estando em um lugar maravilhoso, fazendo tudo o que mais queria, não existe nada no mundo comparado a nossa casa. Nada chega próximo do que o que sentimos pelas pessoas que amamos. Escutando 'Fix you', eu quis que aquelas luzes me guiassem até o meu lar."

3) O momento marcante de Isabel envolve um presente que ela arremessou no palco e que foi recebido com carinho por Chris Martin:

Arquivo de Isabel Nunes

"A princípio eu diria que o momento mais marcante aconteceu no show de São Paulo, quando eu vi o Chris cantar um pequeno trecho de 'Fix You' segurando um macaco de pelúcia que levei e joguei no palco."

Arquivo de Isabel Nunes

"Mas, na verdade, o momento mais marcante aconteceu quando eu levei o mesmo macaco, e também uma faixa, para o show no Rio de Janeiro. A faixa dizia que eu não ia desistir. No Maracanã, Chris leu a faixa, olhou para mim (que estava segurando o macaco) e abriu um grande sorriso! Ele teve consciência que se tratava da mesma pessoa de SP, ele lembrou... Esse sim foi o momento mais marcante!"

4) O momento mais marcante eleito por Jason pode ser resumido em duas palavras: novas amizades

Arquivo de Jason Freires

"Eu esperava que ao vivo eles fossem tão bons quanto o que eu já tinha assistido através da internet e/ou TV, mas eles superaram as minhas expectativas infinitamente. Por isso é tão difícil eleger apenas um momento marcante! Mas posso dizer que foi muito marcante conhecer a galera que me acompanhou no show, todos com um amor em comum. Já se passou um ano e continuamos em contato, revendo fotos do dia e alimentando a nostalgia do que consideramos 'o melhor show das nossas vidas'".

Arquivo de Jason Freires

Jason explicou que, antes do show, eles reuniram cerca de 170 pessoas em um grupo e a partir disso construíram uma amizade com direito a fã de São Paulo oferecendo hospedagem. Com membros de diferentes partes do país, o grupo produziu uma camiseta com o número do assento de cada um (eles estavam no mesmo setor – cadeira inferior). "Ficamos juntos desde oito horas da manhã até o fim do show. Não tinha como eu não falar que esse encontro, somado a tudo que Coldplay representa, foi o que mais me marcou", ele completou.

5) O momento marcante narrado por Mariana é uma prova de que a música pode funcionar como referência, cura e lembrança:

Arquivo de Mariana Raposo

"Para mim, tiveram dois momentos muito marcantes. Primeiro quando eles entraram no palco (cantando 'A Head Full of Dreams'). Foi um momento de explosão e emoção total! O segundo momento foi logo depois, quando eles cantaram 'Yellow'"

Arquivo de Mariana Raposo

"É uma música muito importante em minha vida, pois quem me apresentou Coldplay foi meu padrinho e ele faleceu há três anos. Curiosamente eu estava ouvindo 'Yellow' no momento que recebi a notícia da morte dele e a partir disso a minha relação com a cor e com a música se tornou muito forte! Desde que ele se foi, eu não tinha conseguido mais ouvir a música. Então ouvir 'Yellow' ao vivo, depois de todo aquele tempo, foi um momento muito emotivo e muito especial. Não tenho palavras pra descrever a magia que é estar em um show do Coldplay."

6) O paulista Fabrício foi aos dois shows e compartilhou com a gente qual foi o momento que ele elegeu como mais marcante:

Print via Twitter Global Citizen

"O momento mais marcante foi quando as luzes se apagaram e as Xylobands iluminaram o estádio pela primeira vez"

Arquivo de Fabrício Batista (segundo relato, ele é o garoto de boné que aparece na foto)

"Toda aquela expectativa dos fãs chamando pela banda e brilhando no escuro... É quando as pulseiras acendem que você sente, literalmente, que o sonho começou".

E aí, você se identificou com algum dos momentos eleitos pelos Coldplayers entrevistados?

Tivemos a felicidade de conversar com fãs de diferentes partes do país e esperamos que todos vocês que nós acompanham tenham se sentido representados de alguma forma.

Agradecemos os Coldplayers Gabriela, Amanda, Isabel, Jason, Mariana e Fabrício que compartilharam suas memórias e nos ajudaram a celebrar um ano de saudade da passagem da “A Head Full Of Dreams Tour” pelo Brasil.

O nosso muito obrigado também vai para todos os outros fãs que se inscreveram com o objetivo de compartilhar as histórias que viveram durante a turnê. Vale lembrar que entrevistamos um(a) fã por mês, ou seja, você que não foi sorteado ainda pode conversar com a gente na coluna “Coldplayer da Rodada”.

Clique aqui para ser um dos próximos entrevistados pelo Viva Coldplay.

Agradecimento: Lucas Caon (arte e layout)

Vitor Porto