[Let’s Talk 22]: 10 anos da Twisted Logic Tour no Brasil!

Paula Valladares
26 fev 2017

Há exatos 10 anos, o Coldplay realizava uma série de 3 shows em São Paulo, na extinta casa de shows “Via Funchal”, e apresentava a turnê de seu terceiro álbum de estúdio, “X&Y”, em sua segunda passagem por solo brasileiro.

Nos dias 26, 27 e 28 de fevereiro do ano de 2007, a banda aterrissou na capital paulista, em um show intimista e para pouco menos de 2.800 pessoas. Os ingressos variavam de R$150 a R$400 e se esgotaram em poucas horas.

Eu tinha 16 anos na época e era fanática pela banda desde 2005. Infelizmente não consegui comprar o ingresso assim que eles foram colocados à venda. Fiquei extremamente desiludida e desnorteada sobre como lidar com a situação de perder a oportunidade de ver a banda da minha vida. Cheguei a comprar um ingresso de R$900 reais no Mercado Livre e, sem poder pagar por ele, minha mãe me obrigou a devolvê-lo por correio, e ainda sofri ameaças da vendedora do ingresso, que disse que chamaria a polícia para mim. Os dias passavam e nada. Até que meus pais me surpreenderam com uma excursão que incluía um ingresso para assistir ao show do dia 27.


Era a primeira vez que eu assistia a um show em outra cidade, e o sentimento de felicidade e euforia me alimentava de uma maneira que eu mesma não podia acreditar. Eu estava perto de realizar o meu maior sonho do momento e não podia me conter, tamanha a emoção que tomava conta mim. Assim como o Coldplay, fui toda de preto para o show, uma camisa da banda que eu tinha comprado na Galeria do Rock de SP, além do símbolo de Make Trade Fair pintado na mão, os durex coloridos nos dedos, os tênis Adidas preto e branco que o Chris e o Jonny costumavam usar na turnê e todas as letras das músicas na ponta da língua.


Meu pai me acompanhou ao show, ele também gostava da banda, obviamente não como eu, e por muitos momentos se assustou com o meu fanatismo. Nessa época, o Coldplay tomava conta de praticamente 90% de tudo o que eu fazia ou pensava. Minha vida acontecia em função da banda, e isso deixava os meus pais bastante preocupados. Assumo que passei por anos de extrema obsessão pela banda, mas acredito que cada um tem uma maneira de lidar com suas paixões.

Voltando ao show, é difícil descrever o momento vivido naquele Via Funchal que hoje nem existe mais. E é ainda mais difícil de acreditar que se passaram 10 anos do show mais importante e de um dos momentos mais lindos que já vivi. Tive a grata oportunidade de presenciar a banda da minha vida apresentando o álbum da minha vida.


Faço este relato com um sentimento de nostalgia tão forte que me abala por completo. Este show significou muito para mim. Infelizmente não consegui entrar com câmera de fotos, então as lembranças que tenho estão guardadas exclusivamente em minha memória. Bem, é isso que importa né?

Termino este relato com a setlist que embalou maravilhosamente a minha terça-feira, 27 de fevereiro de 2007:

Square One / Politik / Yellow / God Put A Smile Upon Your Face / Speed of Sound / Sparks / Daylight / What If / White Shadows / The Scientist / Green Eyes / Clocks / Talk / Swallowed in the sea / In my place / Fix You / Shiver

Paula Valladares

  • Anderson

    que lindo esse relato, Paula. Assim como voce, meu fanatismo deu início em 2005. Conheci quando Speed Of Sound começou a tocar nas rádios. E nossa, esses shows de 2007 marcaram a choradeira que foi em casa por nao ter ido kk. Graças a Deus realizamos nossos sonhos ?